Vídeos do Microsoft Courier, futuro concorrente do iPad

Sete meses atrás o Gizmodo publicou um artigo sobre o Microsoft Courier. Trata-se de um projeto de computador tipo tablet com duas telas sensíveis ao toque e prontas para escrita direta com "caneta" (como os antigos Palm). Vamos ver quais serão os próximos passos da Microsoft e como será a versão final deste produto.

Os vídeos, muito bem produzidos, deixam uma excelente impressão sobre o futuro produto. Vale lembrar que a Apple, aproveitando software e mesmo o design do iPod Touch / IPhone, lançou bem antes o iPad que já é um mega sucesso de vendas.

Atualização 30/04/2010: "Microsot deixa o projeto do Courier de lado, mas pode resgatá-lo." Parece que no momento, a parceria com a HP fala mais alto do que ter o produto próprio.


A odisséia de mudar o endereço de uma empresa

Mudar uma família de endereço já é complicado, mas mudar o de uma empresa tem sido uma odisséia! :^)

Segue um resumo dos passos que seguimos até agora neste processo de mudança:

  1. Antes de mais nada, encontrar um imóvel adequado para os próximos meses de operação da empresa. Foram vários dias comparando diversos imóveis e conversando com muitos proprietários e imobiliárias;
  2. Fazer a consulta prévia do novo endereço, para ver se a Adminitração Regional irá liberar a atividade pretendida para o local. Solicitação via internet, pronta após dois dias;
  3. Negociação e assinatura do contrato de aluguel. São 2 vias x 5 páginas com reconhecimento de firmas do locador, locatário e dois fiadores;
  4. Alteração do contrato social da empresa. A nossa totalizou 5 páginas, já incluindo uma consolidação contratual. Um detalhe é que fomos informados que a Junta Comercial nem lê contratos impressos em frente-e-verso, o que poderia ter economizado 2 folhas em cada impressão;
  5. Comunicação da mudança à SEFAZ/DF (Secretaria de Fazenda Estadual). 1 página em 2 vias. Se o administrador comparecer pessoalmente, não precisa reconhecer firma. Neste momento, assume-se um compromisso de entregar o processo completo em, no máximo, 30 dias;
  6. Recepção das ...

Isenção de PIS e COFINS para computadores será prorrogada até 2014

O Ministro da Fazenda, Guido Mantega, confirmou a prorrogação dos benefícios instituídos inicialmente pela "MP do Bem" (vide notícia no site da ComputerWord). A posterior "Lei do Bem" - Lei Federal 11.196/2005 - definiu o Programa de Inclusão Digital e reduziu à 0 (zero) as alíquotas de PIS e COFINS incidentes sobre as vendas a varejo de computadores, tanto desktops quanto notebooks. Atualmente a redução se aplicaria apenas às vendas efetuadas até 31 de Dezembro de 2009.

Em caso de não prorrogação, as alíquotas do PIS de 1,65% e COFINS de 7,6% voltariam a compor o custo final dos computadores. Na prática, estas contribuições são bem mais caras do que 9,25%, pois aumentam, artificialmente, o faturamento do vendedor. Assim, aumenta a base de cálculo de outros impostos como IPI e ICMS, aumenta o valor das taxas de desconto das operadoras de cartão de crédito, das comissões e do custo de capital de giro. O preço atual dos computadores aumentaria, por baixo, 11%. Esta estimativa não leva em conta variações em dólar ou a rápida evolução tecnológica, apenas a mudança que ocorreria entre as vendas feitas em 31/12/2009 e no dia seguinte, quando o benefício fiscal não valeria mais.

O mercado de computadores do Brasil, prestes a se tornar o 3º maior do mundo*, agradece o bom senso da prorrogação do benefício e aguarda, ansiosamente, por uma reforma tributária que torne os impostos e contribuições mais inteligentes e praticáveis para todos.

Atualização: A Medida Provisória 472 de 15 de dezembro de 2009 modificou o inciso II do artigo 30 da Lei 11.196 acima citada que passou a vigorar com a seguinte redação: "II - aplicam-se às vendas efetuadas até 31 de dezembro de 2014.”.

* Nota: atualmente o Brasil é o 5º maior mercado de computadores, atrás de Estados Unidos, China, Japão e Alemanha. A previsão da Intel é que o Brasil supere Alemanha e Japão ainda no primeiro semestre de 2010.

Documentos de cobrança devem incluir dados emissor

A Lei Federal 12.039/2009 incluiu no Código de Defesa do Consumidor (CDC) artigo que determina a obrigatoriedade da inclusão do nome, endereço e CPF ou CNPJ do emissor de qualquer documento de cobrança, o que inclui boletos bancários. A regra vale a partir de 02/10/2009.

Tem sido comum o recebimento de boletos bancários sem que o destinatário tenha adquirido qualquer produto ou aceitado a prestação de serviço da empresa emissora. Além da má fé da cobrança indevida, algumas "empresas" pioram a situação inserindo o nome do consumidor nos bancos de dados dos serviços de proteção ao crédito.

Esta alteração no CDC tenta proteger um pouco mais o consumidor que receba uma cobrança indevida. Mesmo assim, uma boa idéia é, antes de fazer o pagamento, checar no site da Receita Federal se o nome e endereço do cadastro do CNPJ batem com o que foi informado no boleto. Todo esse histórico ajudaria o consumidor num eventual processo contra uma empresa que o prejudicou.

Integrando um servidor Intel Nehalem - Parte 1

Nosso servidor Windows SBS 2003 (Small Business Server) entrou operação em 2004, já se encontrando com mais de 35.000 horas de uso. Com todo o trabalho que estamos tendo após uma falha em um de seus discos rídigos, decidimos aposentá-lo (ao menos do papel de servidor) e substituí-lo por uma máquina moderna com Windows Server 2008. A versão definitiva do sistema operacional ainda será escolhida. Contamos com a assinatura anual do Action Pack para parceiros Microsoft e assim temos acesso a diversas licenças, como a linha Essential Business Server.

Aproveitando a mudança, este novo servidor assumirá muito mais responsabilidades que o antigo e com isso ganharemos eficiência em diversos processos e ainda poderemos reduzir custos com a desativação simultânea de 2 servidores antigos. Uma tendência atual na qual estamos dispostos a apostar (dentro de nossa atual capacidade e necessidade) é a virtualização. ...